Tempos dissonantes, bora criar!

Existem criadores que fazem de suas coleções verdadeiras crônicas do que estamos vivendo. Rei Kawakubo, da Comme des Garçons, é uma dessas pessoas. Desfilou seu verão 2021 para uma plateia minimalista (em termos de publico), de máscara, jogando sobre as modelos uma luz vermelha, símbolo do momento infernal vivido pelo mundo.

Os minimalistas estão chegando

Os minimalistas estão chegando, entre eles os minimalistas românticos como Simon Porte Jacquemus, que não abriu mão de desfilar. Sua coleção chamada de Amour, foi apresentada numa passarela de 600 metros no Parque Natural Regional Francês de Vexin, a uma hora de Paris.

E agora? O que será do desfile-espetáculo?

Se existe algo que está mudando é a forma de mostrar uma coleção. Nesse momento de reset, o circo da moda, com pit de fotógrafos, uma multidão de convidados e uma primeira fila estrelada, foi desmontado. Novas maneiras de apresentar…

Queremos é sermos desejados

Moda é movida a muito traballho e inspiração. O tempo todo, estilistas, empresários, stylists e novos talentos correm atrás de ideias para alimentar seu trabalho. E falando em roupa sustentável, não adianta a coleção ser feita sem ameaçar o planeta…

Como transformar um editorial em obra de arte

Nada anda sem boas ideias. Muito menos a moda, uma indústria baseada essencialmente na criatividade. A inglesa Grace Coddington, que foi durante muitos anos diretora criativa da Vogue, tem uma cabeça tão rica em ideias quanto sua abundante cabeleira ruiva.…

Uma carta pra restaurar a magia da moda

Você sabe quem é o Dries Van Noten? Pouco conhecido no Brasil, mas muito importante para a cultura de moda a partir dos anos 90, esse estilista belga está na minha nova série Mapas de Estilo das Décadas. Você vai…

Quais os próximos passos do sustentável?

Você sabia que 40% das roupas oferecidas no mercado acabam sendo vendidas sempre com algum desconto e muitas nem chegam a ser vendidas? Uma boa razão para cortar pela metade o excesso de produção que tem feito da moda um…

Tecidos que falam

Nunca a moda se inspirou tanto em técnicas usadas no passado, principalmente em matéria de tecidos. A quarentena despertou em profissionais e estudantes de moda uma vontade de criar de forma independente e sustentável, descobrindo novos materiais e tingindo com…

Correndo para a natureza

Nesses tempos de coronavírus, entre lockdowns e muita espera pela vacina, as campanhas do verão 2021 escaparam em longos vestidos confortáveis para longe da cidade. Muitas marcas têm aproveitado esse reencontro com a terra para reafirmar suas raízes, reduzir a…

O melhor amigo do vendedor/a

Uma vez uma super vendedora de uma multimarca me disse que o que mais gosta na profissão, além de duplicar sua meta, é vender um produto que tenha uma boa história. Ela me contou que começou a se apaixonar por vendas…

Tempos incertos, mais comunicação e cultura de moda

Pensando em 2021 e na montanha russa da pandemia, muitos empresários e profissionais de moda vêm trabalhando há algum tempo no modo "menos é mais". Coleções menores e mais qualidade substituem grandes quantidades de produtos e muito desconto. Mas na hora…

Quem mistura e se aventura precisa de cultura

A perfeição não existe, por isso o segredo de um bom styling é não ter medo de introduzir algo errado e estranho no visual. O melhor exemplo disso é Alessandro Michele, especialista em combinar o "incombinável". Fácil falar mas difícil…

O que faz a roupa ganhar vida?

Você sabia que os vestidos deslumbrantes usados pelas musas do pintor Gustav Klimt existiram e foram confeccionados? Sabem por quem? No início do século 20, ele pintou mulheres douradas cobertas por prints coloridas. Essa é uma das inspirações mais interessantes…

Inspiração para vender

Tem coisa que inspire mais na hora de vender um produto do que uma boa história? E mais: uma boa história de uma marca que virou comportamento e objeto de desejo de milhares de consumidores?
Heloisa Marra
: Heloisa Marra

frida1

Frida Kahlo é uma fonte inesgotável de surpresas. Suas conexões com artistas mexicanas, europeias e com o surrealismo abriram caminho para um universo de imagens fantásticas, marcadas pelo imaginário das culturas indígenas do México e pela riqueza de ornamentos e acessórios característica das amazonas poderosas que viveram naquelas terras muito antes dos espanhóis chegarem.

rosarolanda

Segundo a curadora Teresa Arcq, as primeiras obras em que Kahlo utiliza a tecnica surrealista são de 1932, quando sofreu um aborto. Na época produziu uma série de cadavres exquis em parceria com a artista e fotógrafa americana Lucienne Bloch. Culta, a par do que acontecia na Europa, Frida entrou em contato com o movimento através de Rosa Rolanda, que, em 1928 foi morar no México com seu marido, o pintor Miguel Covarrubias.


mariaizquierdo

Na ocasião, segundo a pesquisadora, Frida tinha 20 anos e estava noiva de Diego Rivera. O casal Covarrubias era amigo dos surrealistas, em especial do poeta Louis Aragon e do fotógrafo americano Man Ray. A viagem dos Covarrubias pelo Istmo de Tehuantepec e amizade com Kahlo marcaram a obra de Rolanda. Ela e Kahlo compartilharam a paixão pela indumentária e pela joalheria típica, a gastronomia mexicana e o colecionismo da arte popular.

remediosvaro

María Izquierdo, pintora originária do estado de Jalisco, também se inspirava na cultura local. Foi, segundo a curadora, a primeira artista que chamou a atenção dos surrealistas. "Quando o dramaturgo francês Antonin Artaud chegou ao México em 1936 à procura de uma arte que conservasse o espírito da arte primitiva, comoveu-se diante de uma série de obras de Izquierdo que mostravam mulheres indígenas nuas, prostradas diante de imponentes ruínas". Levadas por Artaud, as artistas mostraram seu trabalho na galeria Van den Berg, em Montparnasse.

alicerahon

Muitas histórias aconteceram em Paris. Por intermédio de Jacqueline Lamba, Kahlo conheceu a poetisa francesa Alice Rahon, casada com o pintor e teórico do surrealista Wolfgang Paalen. Começou com ela um relacionamento erótico e amistoso baseado em experiências compartilhadas, que se prolongaria por anos. Alice encantou-se com Frida e sua obra e escreveu para ela um belíssimo poema inspirado no quadro "Mi nana y yo", que fez parte da exposição em Paris. Alice e o marido em companhia da fotógrafa suíca Eva Sulzer acabaram também se instalando no México.


leonoracarrington

A pintora espanhola Remedios Varo escreveu a Frida pedindo que intermediasse sua viagem ao México como refugiada com o companheiro, o poeta surrealista Benjamin Peret. Frida, entretanto, não foi bem sucedida e Varo, segundo a pesquisa da curadora, teve de esperar quase 2 anos para sair de Marselha com o apoio do Emergency Rescue Committee e os recursos da empresária norte-americana Helena Rubinstein, que financiou a sua passagem.

O diplomata mexicano Renato Leduc também não conseguiu ajudar Varo. Ele, por sua vez, casou-se com Leonora Carrington, em Lisboa, em 1941, para que ela pudesse fugir da Europa com destino a Nova York e estabelecer-se, posteriormente, em território mexicano.

traje

De acordo com Teresa Arcq, a chegada dos exilados europeus revitalizou a vida cultural no México. "As mulheres artistas como Kahlo ou Izquierdo que puderam expor as suas obras em Nova York e Paris não contavam em seu próprio país com galerias para exibição comercial e estavam excluídas dos espaços oficiais.

México vira surrealista

Inés Amor, diretora da recém-fundada Galeria de Arte Mexicana, assumiu o risco de transformar o seu espaço em uma galeria de vanguarda, apresentando a Exposição Internacional de Surrealismo, organizada por Paalen e pelo poeta peruano César Moro, em 1940. A exposição causou verdadeiro frisson desde que foi anunciada. 'No dia 17 haverá uma exposição de pinturas surrealistas e todo mundo no México virou surrealista porque todos vamos participar...', escreveu Frida a Nickolas Muray".

Roupa como arte

Quem for à exposição poderá ver os trajes que tanto marcaram o estilo de Frida, que fez do seu guarda-roupa uma forma de arte. Nele
 destacam-se peças de vestuário nahua, otomíe, totonaca, yalalteca (jacalteca), mixteca e zapoteca. Frida Kahlo teve especial predileção pelo traje de tehuana usado pelas mulheres do Istmo de Tehuantepec, e é provável, segundo a curadoria da exposição, que esse gosto tenha surgido em função da origem oaxaquenha de sua mãe, que foi retratada quando jovem usando esse vestido tradicional, marcante por sua beleza e exotismo.