As jóias ousadas de Camila Klein

camila klein


Basta uma peça de Camila Klein aparecer no pescoço de uma global que o sucesso é garantido. De Carolina Ferraz a Christiane Torloni chovem ligações de clientes querendo  as peças com mix rústico e sofisticado da grife. Colares ousados, cheios de pedraria, braceletes e anéis despertam o desejo de mulheres que buscam se diferenciar pelos acessórios. Estreando na passarela do SENAC RIO FASHION BUSINESS, Camila Klein fala dobre seu processo de criação, a coleção inverno 2012 e muito mais.

camila
"Faço acessórios há 11 anos. Comecei de brincadeira quando era criança. Minha mãe tinha uma marca e todas as férias eu ficava na empresa dela mexendo na parte de vestidos de festas, principalmente o que tinham pedraria. Podia ser desde plástico até uma pedra mais importante, eu sempre me encantei" conta Camila. A brincadeira virou hobby e Camila começou a fazer bijoux para as amigas nos tempos de colégio. A empreitada deu tão certo que sua mãe teve que intervir para se assegurar que ela terminaria os estudos antes de mergulhar de cabeça na profissão. “Tinha 15 anos. Minha mãe queria que fizesse faculdade. Acabei cursando Belas Artes e comecei a mexer com arquitetura mas não era feliz. Quando tinha 20 e poucos resolvi voltar a fazer as jóias.  Fiz uma coleção para a marca da minha mãe e foi um sucesso, daí vieram os pedidos de outras marcas e tudo começou a acontecer.”

Camila já desenvolveu jóias para marcas como Le Lis Blanc, Bob Store e Spezatto até que, em 2006 resolveu abrir sua primeira loja, no shopping Morumbi, em São Paulo. De lá pra cá a designer já inaugurou espaços em Curitiba, Rio de Janeiro. Este mês a marca vai inaugurar seu e-commerce “Existia uma procura muito grande pois já vendíamos

Na hora de criar, Camila usa suas referências como artista plástica para desenvolver suas coleções. “Gosto muito de arte e de tudo o que é belo. Em qualquer área eu me encanto por produtos que tem história, uma pegada mais artesanal, que você vê que foi trabalhado, lapidado. Eu trago para as minhas peças essa arte que eu vejo. Trago temas variados que pesquiso em viagens, livros e também na internet” explica Camila.

Detalhe-BrincoPara o verão 2012, Camila se inspirou numa mulher de montanha que veio para o ambiente urbano. As peças fazem o contraste do rústico com o brilho dos cristais Swarowski “Vou muito pela percepção do que as minhas clientes gostam mas sempre gosto de misturar o rústico com o sofisticado. Agora a mulher está numa fase mais ousada, em que se permite usar o que ela realmente quer. Isso é muito bom porque também nos permite criar sem limites. Digo que é um exagero na medida certa”, brinca. Camila conta também que o mercado há cinco anos era muito diferente e que a liberdade na hora de criar é ótima. “Cinco anos atrás eu não poderia fazer o que faço hoje, da mesma maneira. As peças tinham uma cara mais comercial. A mulher de hoje não quer mais o comercial, ela quer o diferente”.

Segundo Camila, o mercado de acessórios no Brasil é de fases. Hoje, as peças que as brasileiras mais procuram são os maxi colares, coloridos e com pedrarias “Há dois anos as brasileiras estavam procurando muitos brincos e anéis. Agora é fase dos colares ousados. Nenhuma peça para na loja, tudo acaba super rápido”, conta. Se a peça aparece no pescoço de alguma personagem na televisão é sinal de peça esgotada em pouquíssimo tempo, na certa. Entre as atrizes que usavam suas peças estavam Carolina Ferraz em O Astro e Tereza Cristina, de Fina Estampa. “É impressionante como o retorno da televisão é imediato. O colar que Tereza Cristina usou na cena em que ela foi estapeada acabou em dois dias” ri Camila. 

{include_content_item 964}

{include_content_item 728}

{include_content_item 2318}